1

Estudo comprova os benefícios do Colágeno Hidrolisado no envelhecimento cutâneo

O envelhecimento da pele é um processo degenerativo progressivo, resultante de um declínio fisiológico das funções do tecido cutâneo. A queda da qualidade do colágeno tem um papel primordial neste processo e resulta em sinais de flacidez da pele, formação de rugas e diminuição da renovação celular.
O colágeno é uma das maiores moléculas protéicas presentes no organismo humano e faz parte da constituição de quase todos os tecidos, incluindo a pele. Aproximadamente um terço da proteína de nosso corpo é constituída de colágeno.
Ele é renovado continuamente, mas, com o passar do tempo, essa renovação sofre uma diminuição, com evidente prejuízo anatômico e funcional dos tecidos. Segundo a Dra. Lígia Kogos, dermatologista especialista em cosmetologia estética, o colágeno hidrolisado tem sido o caminho eficaz para retardar a ação do tempo. Ela explica que a partir dos 30 anos, a pele sofre perda de colágeno de 1% ao ano e depois da menopausa, a perda anual chega a 2,1%. “A ingestão diária de 10 gramas de colágeno aumenta a elasticidade dos tecidos e diminui a degradação cutânea”, recomenda a dermatologista.
A obtenção de colágeno corporal se faz a partir de aminoácidos, basicamente obtidos pela alimentação. Entretanto, diversos estudos “in vitro” e clínicos, apontam que a suplementação alimentar com colágeno hidrolisado poderia propiciar benefícios à saúde, assim como auxiliar no tratamento de alguns processos patológicos ou mesmo fisiológicos, como é o caso do próprio envelhecimento. O aminoácido mais característico do colágeno é a hidroxiprolina, que juntamente com a glicina e a prolina formam a sequência predominante da cadeia colagênica, sendo este um fator que contribui para a função estrutural e de sustentação do colágeno no tecido conjuntivo, característica essencial para a manutenção da estrutura da pele.
De acordo com a Dra. Flavia Addor, que participou de um estudo desenvolvido aqui no Brasil, após a suplementação com colágeno hidrolisado, foram verificados efeitos positivos em processos de envelhecimento, cicatrização e também no auxílio de outros tratamentos de processos degenerativos do colágeno.
O estudo foi realizado com três grupos de 20 mulheres, com idade de 35 a 65 anos, que receberam diferentes dosagens da proteína, por um período de 60 dias. Dois grupos receberam 2 g e 5 g de colágeno hidrolisado, respectivamente, enquanto um terceiro recebeu apenas carboidrato como placebo.
Nas avaliações clínicas e subjetivas, foram analisados os seguintes parâmetros: hidratação, firmeza e elasticidade da pele facial e uma avaliação global do grau de envelhecimento facial.
Após a pesquisa, foi comprovado que a ingestão de 2g de colágeno hidrolisado aumentou em 4,2% a firmeza e 8,5% a elasticidade. Já o grupo que recebeu 5g apresentou melhora na hidratação e firmeza da pele, sendo 5,5% na firmeza e 10% na elasticidade facial, além de melhora na hidratação cutânea.
Os excelentes resultados obtidos na hidratação, firmeza e elasticidade, além de outros benefícios já comprovados, como fortalecimento das unhas e maior resistência e brilho dos cabelos, mostram que o colágeno tem um grande potencial para os cuidados com a beleza.
Os resultados mostram que, a partir de 2g, já pode ser observado benefícios. Mas quanto maior a dosagem e o período de ingestão, melhores são os resultados, sendo que o ideal são 10g diárias. Encontrado em cápsulas (não é a apresentação ideal, pois a quantidade diária seria de 10 cápsulas de 1g ou 20 cápsulas de 500mg, o que torna inviável) ou em pó, o colágeno hidrolisado pode ser diluído em um copo de água ou adicionado em sucos, leite, sopas e chás